Sobre uma nova Avenida Paulista: o histórico 28 de Junho de 2015.

2,7 quilômetros, entre a Avenida Angélica até a praça Oswaldo Cruz, já com ligação com a Domingo de Morais. Quem diria, não? Após 13 anos de bicicletadas, marginalização do ciclista, mortes, impedimentos do Ministério Público e (apenas) 6 meses de espera após o início da construção, uma multidão comemorou o espaço conquistado ocupando além do tão esperado espaço central da Avenida.

  Com a avenida fechada para carros, as pessoas ocuparam como quiseram as faixas de deslocamento   
Com a avenida fechada para carros, as pessoas ocuparam como quiseram as faixas de deslocamento

A rua foi de todos durante o dia 28 de junho de 2015, um domingo histórico para o cicloativismo. Não só para o cicloativismo – bicicletas de todos as caras dividiram o espaço com foodtrucks e foodbikes, mesas de ping-pong, cadeiras de praia, bandas de música de todos os tipos e a arte daqueles que apostaram em uma Paulista lotada e atenta não mais ao barulho dos carros e da velocidade. Atenta à vida.

A comemoração começou cedo pelo Bike Zona Oeste, com frentes saindo do metrô Butantã e do bicicletário do Largo da Batata, de onde partimos às 08:30 em um grupo de cerca de 40 ciclistas para a Paulista, via Rebouças, fechando uma pista com bicicletas e bexigas brancas.

010   
Concentração do Bike Zona Oeste e chegada à Paulista: primeira pedalada do grupo.

Às 09h00, a Paulista já estava lotada com a concentração de quem não aguentava mais esperar até as 10h00 para a inauguração. Pessoas pegando bicicletas compartilhadas pela primeira vez, reaprendendo a andar, esvaziaram as estações de aluguel. Mineiros e Cariocas apareceram cobrando ciclovias em seus respectivos estados, mas não deixaram de comemorar uma conquista que é claramente brasileira, por ser uma conquista de pessoas – e não de apenas um grupo ou de um partido político.

   
Todos os tipos foram vistos, de pessoas e bicicletas.

Ainda assim, nada mais justo do que parabenizar o prefeito Haddad, enquanto pedalava com milhares na ciclovia que há muito já havia sido pedida à prefeitura. Com tanta demonstração de reconhecimento pelo trabalho feito, quem sabe os próximos prefeitos também não queiram continuar essa história?

Com uma das maiores conquistas para a bicicleta no Brasil, a comemoração não pode substituir o cuidado com o futuro. Esperam-se interligações da ciclovia da Paulista com as ciclovia da rua Vergueiro, Abílio Soares, Pamplona, Frei Caneca, Haddock Lobo, Itápolis e Consolação. E, dali, para o Brasil inteiro.

Visão da Praça do Ciclista na Avenida Paulista
Vista da Praça do Ciclista

Anúncios

Avenida Paulista será fechada aos domingos. Fechada?

Os ciclistas de Sampa estão ansiosos pelos próximos dias: em 28 de junho de 2015, data que será considerada um marco na história do ciclo-ativismo paulistano (para não dizer da história da mobilidade e urbanização da cidade), vai ser inaugurada a ciclovia da Avenida Paulista!

A exemplo do que ocorreu na histórica bicicletada de 27 de março de 2015 – que protestava justamente contra a ordem judicial que havia determinado a paralisação das obras cicloviárias na capital – a Prefeitura imagina que uma multidão de ciclistas vai tomar conta da Avenida, em dimensão muito superior ao que caberia na ciclovia (ou mesmo nela e nas ciclofaixas de lazer).

Então, qual seria uma boa solução para garantir a segurança de todos? Impedir a passagem dos veículos automotores e reservar todo o espaço para que ciclistas e pedestres possam comemorar. E olha só: já seria um teste para repetir a experiência em outros domingos.

Aí, veio a divulgação na imprensa:

g1

E na sequência, além do esperado chororô dos que não largam o carro nem para ir até a esquina, veio a comemoração não só dos ciclistas, mas das pessoas que enxergam o enorme potencial da mais paulista das avenidas como uma grande área de lazer e convivência humana: “Vocês viram que bacana? Querem fechar a Paulista aos domingos!”

Mas não há alguma coisa errada nessa fala? E em todas as manchetes…

A nossa cultura é tão carrocêntrica que mesmo aqueles que em certa medida já conseguiram se livrar da dependência do automóvel acabam se traindo pelo discurso.

A Avenida Paulista já é fechada, todos os dias, de segunda a segunda. Nela só podem circular veículos automotores e – com muita relutância – as bicicletas. As pessoas são obrigadas a se restringir às calçadas e, de vez em quando, somente de forma ordenada e num espaço de tempo curto, podem atravessar de um lado a outro. Se demorarem ou pararem, correm o risco de ficarem ilhadas bem no centro ou, na pior das hipóteses, serem atropeladas.

“Discordo! A Paulista é uma avenida! A função dela é servir de fluxo para os carros. Se a pessoa quer andar, ela pode ir a um parque, que serve somente pra isso, certo?”

Bom, então vamos colocar as coisas em perspectiva histórica: qualquer cidade com mais de cem anos não foi pensada para carros. Já existiam ruas e avenidas, e elas não se destinavam aos carros, porque eles eram pouquíssimos, e sequer existiam na maioria dos lugares. A Avenida Paulista, por exemplo, foi inaugurada em 8 de dezembro de 1891 – mais ou menos na mesma época em que o primeiro automóvel chegava ao Brasil.

Pouco a pouco, com a força e propaganda da indústria automotiva, as ruas foram sendo proibidas para as pessoas, cada vez mais empurradas para as calçadas, para facilitar a fluidez dos carros. Portanto, quem tomou as ruas das pessoas foram os automóveis.

A rua é, por excelência, o espaço natural de convivência. É onde ocorre a vida nas cidades. Se você a devolve para as pessoas, elas voltam a ocupar esse espaço. E se elas estão nas ruas, o espírito da cidade muda: a convivência se aprimora, a segurança melhora. Até mesmo o impacto na saúde é positivo! (Não é à toa que em São Paulo, os níveis de ansiedade e depressão são equivalentes ao de uma zona de guerra. Uma revolução urbanística é parte do necessário para caminhar na direção contrária desses índices).

Essa tendência – de devolver a cidade às pessoas – nasceu no pioneirismo da escola urbanística de Copenhague, nos anos 60, mas só agora, a partir dos anos 2000, começou a ganhar maior força no resto do mundo. Times Square, em Nova York, foi fechada. Na Europa, Madrid e Paris já decidiram fechar seus centros para os automóveis. Hamburgo, Bogotá, Buenos Aires, Helsinki, Londres… inúmeras cidade empreendem esforços para restringir o uso de carros e estimular o uso do espaço urbano por pessoas. Dublin é a mais nova na lista. E desejamos – esperamos – que São Paulo faça parte dela.

Aos alarmistas, é claro que ônibus continuarão chegando à região (e cruzando a avenida, pois o fluxo da Brigadeiro não seria interrompido). É claro, também, que acessos emergenciais (em especial aos hospitais) não serão impedidos.

Felizmente, São Paulo está na direção correta. Permitir a abertura da Paulista, ainda que só aos domingos, seria um grande passo na construção de uma cidade mais humana, menos irritadiça, menos depressiva.